Logon
  • Aumentar a fonte
  • Diminuir a fonte
  • Enviar por E-mail
  • Imprimir

Gestão Ambiental

​​​As atividades de mineração e de tratamento de minério até a obtenção do ouro, demandam cuidados especiais, que minimizem os impactos ambientais, reduzam a produção de resíduos e promovam a eficiência do uso de carbono e a conservação dos recursos naturais.

A estratégia da AngloGold Ashanti no Brasil na área ambiental, garante às empresas, padrões de ecoeficiência compatíveis com as melhores práticas da mineração mundial. Nesse contexto, destacam-se a matriz energética (com geração de energia elétrica a partir de seu complexo de pequenas usinas hidrelétricas de Rio de Peixe e de sua participação na Hidrelétrica de Igarapava), e a adequada gestão da água, com baixo consumo específico, conceituado índice de recirculação e reaproveitamento dos resíduos e subprodutos industriais para comercialização. Além disso, a empresa possui 873 hectares de áreas declaradas como Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN), sendo: a RPPN Mata Samuel de Paula, em Nova Lima, com 147 hectares; e a RPPN AngloGold – Cuiabá, em Sabará, com 726 hectares de áreas de grande importância devido à sua biodiversidade.

As operações no Brasil vão além do cumprimento de parâmetros legais. São realizadas de forma sustentável, com foco na economia de recursos hídricos e naturais, protegendo áreas de rica biodiversidade e promovendo a educação e a conscientização ambiental junto às comunidades e a seus empregados. O Sistema de Gestão Ambiental é baseado na ISO 14001 e todas as operações estão em conformidade com a norma ambiental, submetendo-se a auditorias externas para certificação.

A AngloGold Ashanti, em Minas Gerais, também possui o seu laboratório ambiental certificado na ISO 17025, o que concede à empresa o direito de realizar o seu automonitoramento. Além disso, as operações são mantidas sob rígido controle de suas emissões atmosféricas e de seus efluentes líquidos, por meio de monitoramentos diários.

A empresa, no Brasil, possui em todas as suas unidades operacionais estação de tratamento de efluentes, de modo a manter os padrões legais dos descartes e a preservação dos cursos d'água. As operações trabalham na reabilitação de áreas alteradas por suas atividades, concomitantemente com as operações de lavra. As cavas a céu aberto, pilhas de estéril (material retirado das minas sem valor comercial) e áreas já mineradas são submetidas a trabalhos de contenção, drenagem e revegetação, ou seja, de reabilitação.

Vale ressaltar, ainda, que a AngloGold Ashanti é signatária do Código Internacional de Gestão de Cianeto para Produção, Transporte e Uso na Produção de Ouro. Por este código, todas as empresas envolvidas na produção de ouro se comprometem a manter controle e gestão rígidos sobre o cianeto, produto utilizado no processo metalúrgico. Todas as operações são submetidas à auditoria independente para comprovar sua conformidade ao Código.

Preservação

A preservação de grandes áreas é um caminho para que as empresas de mineração possam alcançar um equilíbrio entre atividades de sua atuação e a preservação. Nesse sentido, a Anglogold Ashanti Brasil assume o compromisso com o respeito ao meio ambiente, a minimização dos impactos ambientais, a conservação dos recursos naturais e a garantia de que nossas ações criem resultados benéficos às áreas em que estamos inseridos. Além disso, a empresa segue as premissas do Princípio 7 da Estrutura de Desenvolvimento Sustentável do Conselho Internacional de Mineração e Metais - ICMM, que dispõe sobre o compromisso das empresas para contribuir para a conservação da biodiversidade e abordagens integradas para o planejamento do uso da terra.

A AngloGold Ashanti em Minas Gerais já reabilitou cerca de 539 hectares de áreas, por meio de um intenso programa de gestão ambiental. A empresa possui viveiro de mudas próprio que produz uma média de 10 mil mudas de espécies nativas por ano, voltadas para o processo de reabilitação das áreas mineradas. Desde 1992, já foram realizados o plantio de cerca de 539 mil mudas.

Em 2015, a AngloGold Ashanti elaborou um estudo dos GEE emitidos pelas instalações brasileiras, baseado nas diretrizes do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas. O material traz um inventário corporativo identificando as fontes emissoras de GEE e os sumidouros, áreas capazes de absorver os gases de efeito estufa. A partir do levantamento, foram realizadas melhorias na eficiência das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e iniciado o processo de revegetação, realizado em conjunto com a atividade de extração de minério. É importante ressaltar que a reabilitação ambiental ocorre em todas as localidades onde a AngloGold Ashanti atua, sempre com o objetivo de recuperar o bioma original da região.